Notícias

Projeto com tecnologias sociais para a agricultura familiar beneficiará 30 famílias de Puxinanã-PB

Barragem base zero

O Centro de Ação Cultural – Centrac, lançará uma nova etapa do projeto Da Roça à Mesa, “Tecnologias Sociais Gerando Autonomia e Renda no Semiárido Paraibano” na próxima sexta-feira, dia 19 de janeiro,  à partir das 8h30, na comunidade Jenipapo de Cima, município de Puxinanã, no Agreste Paraibano.

O Projeto irá beneficiar 30 famílias com a implantação de tecnologias como sistemas de reuso de água, biodigestores, fogões ecológicos e barragens de base zero. A comunidade faz parte da área de atuação do Fórum de Lideranças do Agreste – Folia, uma das dinâmicas microrregionais integrantes da Articulação do Semiárido Paraibano – ASA Paraíba, ambas parceiras do Da Roça à Mesa. O projeto conta com recursos da Fundação Banco do Brasil – FBB e com o apoio do Comitê Católico Contra a Fome e pelo Desenvolvimento – CCFD, agência de cooperação internacional francesa.

Reuso da água

O da Roça à Mesa é uma iniciativa do Centrac que busca apoiar e qualificar a produção de famílias agricultoras em transição agroecológica com potencial para a comercialização. Em Aroeiras-PB, o projeto apoiou a constituição da primeira feira agroecológica do município, que em 2017 completou três anos de existência, mesmo diante da estiagem mais severa dos últimos 50 anos. Nesta fase, o projeto busca contribuir para a constituição de uma feira agroecológica no município de Puxinanã, pois as famílias locais já comercializam seus produtos, na própria comunidade e em feiras livres.

O lançamento visa reunir as famílias beneficiadas, parceiros e apoiadores para apresentação do projeto e de cada uma das tecnologias. Ele acontece na propriedade de uma das 30 famílias participantes e terá início a partir das 8h30 com um café regional. Às 9h, haverá o lançamento com falas das famílias, realizadores, parceiros e apoiadores. “As tecnologias ajudam a fortalecer o conjunto das estratégias que as famílias agricultoras vem desenvolvendo para conviver com a estiagem. São simples, relativamente baratas e mantidas com insumos que já existem  na propriedade”, explica Madalena Medeiros, coordenadora do Programa Desenvolvimento Sustentável do Centrac e coordenadora do projeto.

Conheça as quatro tecnologias:

Barragem de base zero: utiliza as rochas que surgem nas áreas rurais em consequência do processo de erosão, através da construção de barramento em forma de arco romano deitado. Com custo baixíssimo, a água é armazenada no chão, livre da salinização e da evaporação.

Biodigestor: equipamento abastecido com matéria orgânica (esterco bovino e outros dejetos) que gera gás metano por meio de uma reação biológica de bactérias. O biogás, uma mistura do metano com dióxido de carbono, é utilizado em fogões de cozinha, dispensando a compra de gás.

Fogão ecológico: esses fogões são mais eficientes no uso da lenha, na economia do trabalho e no melhoramento da saúde da família agricultora, à medida que produzem pouca fumaça e usam gravetos, reduzindo o impacto da retirada de lenha.

Sistema de reuso de água: kit de caixas de decantação e limpeza de águas que saem das pias e chuveiros da casa. A água serve para regar plantas ornamentais, fruteiras e alguns tipos de hortaliças.

Texto: Áurea Olimpia Figueiredo Rêgo – Centrac

Dexe um comentário

*